A psicoterapia praticada por mim é uma parceria feita sob medida para cada cliente que me procura visando sempre a manifestação da Saúde Integral.

Acredito que a saúde sempre procura uma forma de pedir ajuda, mesmo que seja através de um sintoma,  de dor física ou emocional.

Psicologia Positiva | Transpessoal | Sistêmica | Neurociências

cerebro como iceberg no mar

PSICOTERAPIA INTEGRATIVA Transpessoal | Sistêmica| Neurociências

Acredito que a saúde integral  é a força da vida que busca a evolução contínua e que vai usar o corpo físico, as emoções, a racionalidade , as relações e a busca do transcendente para manifestar sua identidade. A saúde sempre buscará  uma forma de pedir ajuda, quando algo impede esse fluxo natural da VIDA mesmo que seja através de um sintoma, seja de dor física ou emocional.

A Psicoterapia Integrativa se propõe a ser uma aliada nesse processo de manifestação do Saúde Integral

Uma parceria?

Sim, considero quem me procura é  um cliente e  não um paciente que busca uma pessoa treinada e experiente para atuar como um facilitador no seu processo de autoconhecimento e desenvolvimento num trabalho  orgânico e dinâmico. Nessa parceria, entro com 50% onde eu me disponho a estar 100% presente, comprometida e sintonizada com o Ser Integral que veio me procurar para liberar bloqueios, disponibilizar e direcionar  assertivamente a força  que se encontra bloqueada manifestando-se como dor física ou emocional. O cliente, por sua vez,  se responsabiliza pelos 50% da parceria que lhe cabe, pois o seu  processo continua no período entre as sessões e além delas. Por esse motivo, o processo pode ser mais breve ou mais demorado, dependendo do grau, estágio de mudança e de engajamento em que o cliente se encontra.

Como acontece?

A questão trazida é utilizada como ponto de partida, como um sinal de onde devemos buscar a força a ser resgatada para que a mudança seja alavancada. Através dela mapeamos junta a visão de mundo, quais as forças pessoais presentes no momento, em que ponto do  processo de desenvolvimento o cliente se encontra e em quais áreas e sistemas ao qual ele pertence  a questão está atuando, para que possamos criar a visão de futuro ( o que ele quer alcançar com a psicoterapia)  bem como elaborar  um plano para que possamos trabalhar em parceria rumo à liberação e  disponibilização da força biopsíquica para ser integrada e colocada em ação criativa para se manifestar do objetivo bem definido através da visão.

A minha parte na parceria?

A minha parte consiste em estar preparada, com meu aparelho biopsíquico bem regulado,  presente, com uma escuta ativa livre de julgamentos, consciente de que estou à serviço de um processo em que o regente  é o Ser Integral  que vai se manifestar certamente assumindo o protagonismo, no seu tempo  e de forma única, jamais antecipando etapas que ainda não foram sinalizadas pela prontidão do cliente.  Para isso se fez necessário ter uma “caixa de ferramentas” repleta de técnicas, além de ter experimentado pessoalmente todas elas.  Entre elas estão a psicoeducação, ativação de recursos pessoais, como mindfulness, as dinâmicas corporais e ensaio de papéis ( trabalho com partes ou subpersonalidades ou estados de Ego), neuroprocessamento de informações ( EMDR e Brainspotting), à imaginação ativa ( psicodrama interno, inversão de papéis), hipnose ( ampliação da consciência e uso de metáforas), ao grafismo, dinâmicas do campo sistêmico ( transgeracionalidade), ensaio de papéis com movimento corporal.  A visão de mundo, da espiritualidade e a  verdade subjetiva de cada um é respeitada e é soberana, por isso sempre priorizo e busco adequar as ferramentas à linguagem e aos canais senso perceptivos disponíveis do cliente para ajustar sob medida o ritmo e profundidade do trabalho.

 Nesse processo o Cliente vai ampliando a consciência dos diferentes estados do Eu ( estados físicos, mentais, emocionais, social e espiritual) , aos poucos acessando e fortalecendo  o seu terapeuta interno e aprendendo a manejar as ferramentas que vai adquirindo durante a jornada da parceria. O seu “Eu observador” cada vez mais confia em si mesmo de maneira regulada.

E quando termina essa parceria? Existe “alta”?

Como uma boa parceria, no início combinamos quais são os critérios  para o término. Como saberemos que chegamos lá? Como temos a visão de onde o cliente quer chegar e como ele imagina que sentirá quando atingir o objetivo, eu, como  psicoterapeuta não devo antecipar nem retardar etapas. Assim,  o cliente é convidado a checar de vez em quando como está em relação ao objetivo a ser alcançado, tendo como base as percepções de como estava quando iniciou. Para isso, para cada cliente,  escolhemos juntos a melhor forma de conversar sobre o encerramento da etapa, lembrando que a palavra final é do cliente, para que decida encerrar, espaçar as sessões (15/15 ou mensalmente), ou mesmo vir quando sentir necessidade. Deixamos sempre a “porta aberta”, para que possa  ter  acesso ao espaço terapêutico em qualquer momento, o trabalho pode ser ampliado, ou outro tema possa ser trazido  decorrente de mudanças nas fases da vida, tais como separações, mortes, mudanças de cidades, país, nascimento de filho, preparação para aposentadoria, mudança de área de trabalho etc…

Como acredito que estamos constantemente evoluindo e criando novas demandas e oportunidades de crescimento,  considero a psicoterapia como um agente facilitador e acelerador de processos de mudança e desenvolvimento e por isso o termo “alta” não faz muito sentido para mim como psicoterapeuta.

Somos co-autores uma grande obra que se chama VIDA

As técnicas utilizadas são naturalmente  acessadas na medida em que a presença, o estado de mindfulness focado, a escuta ativa e compassiva e no não julgamento,  me sintonizam   com o cliente sinalizando e indicando o caminho a ser seguido. Essa naturalidade intuitiva é fruto da busca pessoal incessante pelo aprimoramento, pelo amor ao aprendizado, pela integração dos arquivos da memória e da criatividade que é uma das principais forças  do meu sistema pessoal, além da vasta experiência clínica. 

Utilizo os conhecimentos, metodologias e técnicas que facilitam a mudança em níveis cerebrais mais profundos do que os níveis cognitivos (corticais-parte visível do iceberg -figura), acessando a origem dos problemas e traumas (subcorticais- parte submersa do iceberg), que geraram padrões limitantes, processando e atualizando as informações e assim possibilitar e facilitar novos aprendizados  .

A psicoterapia é integrativa, pois visa integrar o pensar, o sentir e o agir com os centros neurobiológicos da razão, emoção, sensação e intuição em coerência e alinhados com o propósito evolutivo do Ser Integral.

Esse é o diferencial da psicoterapia integrativa que hoje é a minha marca pessoal.